Lua Cheia | Os ovários e a coragem da mulher!

Sabias que, de acordo com a medicina energética e a abordagem holística ao ciclo menstrual, os ovários estão correlacionados com a lua cheia e o verão, assim como com o orgasmo e a maternidade? Sabias que, na tradição ameríndia, costuma dizer-se que os ovários são os testículos da mulher? Neste artigo, vamos esclarecer acerca do papel psico-emocional dos ovários e os seus impactes na mulher.

Fisiologicamente, os ovários são sobretudo associados ao seu papel determinante na ovulação, afinal é aqui que estão armazenados os óvulos da mulher e é aqui que, através de um processo hormonal complexo, o corpo seleciona o óvulo mais maduro para ser expelido para as trompas de falópio que o vão conduzir até ao útero. Embora não seja linear, um grande número de mulheres reporta aumento da libido e da vontade de “flirtar” e socializar na altura da ovulação, sentindo-se mais enérgicas, animadas e expansivas. Esta é também a fase em que há a produção de muco cervical aquoso e cada vez mais transparente até ao efeito “clara de ovo”.

Bela e inteligente natureza que continua a oferecer à mulher as dádivas do prazer e da criação! Há, por isso, que limpar e esclarecer as limitações que foram sendo construídas por uma sociedade que, nos últimos séculos, fez questão de restringir a sexualidade feminina à passividade e à capacidade reprodutora.

Na verdade, para uma mulher saudável (com ciclos ovulatórios) esta fase do mês representa a possibilidade de dar à luz não somente um filho mas uma ideia, um projeto, uma expressão da sua criatividade. Todos os meses, o masculino em si coloca-se ao serviço das inspirações e da intuição do seu lado feminino e usa todo o seu foco, determinação e coragem para edificar as estruturas necessárias para a realização e disseminação dessa criação.

É, portanto, uma energia de ação e, se não usada, pode dar origem a desequilíbrios físicos como o aparecimento de quistos e outras perturbações. Nestes casos, é comum a mulher abafar a sua expressão devido a uma grande dependência da validação e aprovação externas; sentir-se controlada pelos outros ou ela própria tentar dominar o ambiente à sua volta e criticar os outros, tudo isto gerando um stress perturbador. Sendo a energia ovárica também associada ao passado, uma disfunção energética nestes órgãos pode ser ainda o resultado de um bloqueio ou ferida na sua linhagem ancestral que pede para ser resolvido.

Como pode, então, a mulher usar proativamente a energia ovárica?

. Conhecendo-a: respirando profundamente colocar as palmas da mão em contacto com a zona dos ovários na fase da ovulação e perceber a temperatura, tamanho, vibração, texturas e imagens. Sentir a energia e o movimento dos ovários é uma forma direta de entrar em ligação com as potencialidades para o seu desenvolvimento pessoal;
. Tomar consciência das formas em que entrega o seu poder cada vez que fica dependente das reações externas;
. Adoptar uma postura neutra para refletir nas ações que não anda a tomar mais por falta de iniciativa e coragem do que devido às circunstâncias externas;
. Aceitar-se como é e como está a sua vida, sem necessidade de dar justificações ou pedir desculpa;
. Expressar todos os seus sentimentos e emoções, de forma assertiva, à medida que eles surgem, prevenindo que fiquem estagnados no corpo;
. Diariamente, rever e registar as tuas acções positivas e com impactes transformadores, largando a crítica e dando espaço à que se valoriza.

Qualquer mudança requer coragem e qualquer mudança só acontece agindo. Se reprimes, bloqueias-te. Se te dás à vida, fazes-te acontecer. Poder aos ovários!
Por: Tamar | O Mel da Deusa | Contacto: https://www.facebook.com/omeldadeusaintimidadesagrada/?ref=br_rs

About Viver O Feminino

Partilhar conhecimentos que vão transformar a vida das mulheres, assim como, de todo o ambiente que as rodeia. Se procuras descobrir o que é ser mulher conectada à sua essência, ligada ao mais puro e natural de si mesma, este será o local onde te conectas a ti, onde descobrirás mais e mais sobre ti e as tuas mais variadas formas.

Deixe uma resposta